Volúpia E Seu Passado de Lágrimas

Disposta a visitar todo o seu passado Volúpia apanha o diário no chão, agora senta-se confortavelmente em sua poltrona preferida, dobra as pernas, abre novamente o diário e vai para a terceira página:

“Esta não é mais uma carta daquelas que te enviei, e até hoje não sei se leu, ou se leu não entendeu! Certamente não entendeu, pois voltou a agir da mesma forma.

Esta folha em branco que aos poucos vai se preenchendo com minhas lamentações e desenganos é apenas um desabafo, nunca vou te mostrar e talvez não tenha coragem de mostrar a alguém. Pois, esse documento contém relatos deprimentes e pode provocar efeitos colaterais a quem venha ler.

Nenhum recomeço é ruim, quando se sabe por onde começar, ou ao menos se sabe o que foi perdido. No meu caso é mais cruel ainda, já cansei de tentar buscar explicações para o que estar acontecendo, já não tento mais me enganar. O que sei, é que há alguns dias fui dormir com uma promessa de um telefonema seu no dia seguinte, entretanto já se passaram mais de dez dias após esse episódio, não consigo suportar a ausência de notícias suas e nem sei o que é pior. Se é ficar sem te ver, sem ouvir ao menos sua voz.

Travei um duelo com o telefone, passo horas olhando fixamente para ele, insistentemente verifico se está funcionando direito, se estar conectado corretamente na parede, e ele nada. Permanece ali no canto, em cima do rack, próximo da TV, não dar nenhuma demonstração de afeto ou ao menos de piedade ao meu sofrimento, continua no mesmo local insensível a qualquer emoção, logo ele que por muitas vezes foi o nosso cúmplice, foi através dele que podemos conversar abertamente, onde eu pude expor minha vida para você. Ele nos proporcionou momentos inesquecíveis, foi nosso cupido, presenciou nossos planos mais secretos, já me acordou no fim da madrugada, fazendo aquele dia que se iniciava ser especial, pois era você que estava me acordando e hoje, estar ali calado, distante, alheio a tudo que acontece comigo. Parece rir de minha angústia, de meu desespero, em meios aos meus ataques de histerismo cheguei a xingá-lo e até jogá-lo contra a parede, mas não adiantou de nada ele é mais forte do que eu.

O que mais me deixa angustiada são os momentos que estou em casa, onde eu me refúgio e posso ser rainha. Nos meus momentos de total solidão é que me sinto mais vazia, o silêncio chega a estrondar nas paredes de meus ouvidos. Estou cumprindo a minha promessa rigorosamente de não te procurar mais, nem tão pouco mandar recados. Esses impulsos podem ser controlados, o que não consigo é evitar a espera por um telefonema seu. Não posso conter minha ansiedade e excitação para ouvir sua voz, sinto algo me corroendo, invadindo minhas vísceras, dominando todos os meus sentimentos, só consigo me acalmar quando tomo uma xícara de chá de erva doce acompanhado de um antidepressivo que me faz dormir, mas até a hora que esse meu alento chega, uma sensação de

abandono invade o meu íntimo, me fazendo sentir-se o pior de todos os seres. Sem valor algum, é inevitável segurar as lágrimas, elas insistem em rolar no meu rosto tornando-me mais sensível, e pateticamente uma cena melosa na novela me faz chorar.

Não sei qual a sua pretensão? Se é me deixar louca e moribunda, seca de sentimentos, sem nenhum sonho para alimentar, sem vontade alguma de sair e me divertir um pouco com minhas amigas… se forem esses os seus planos, foram falhos. Consegui me reerguer antes, quando lembro que você pediu para me afastar de algumas amigas o que prontamente obedeci, sinto pena de mim e choro mais ainda, pelo tamanho da minha fraqueza. Como pude? Entregar-me nas mãos de uma pessoa tão fria, mesquinha, egoísta, interesseiro, baixo… enterrei-me em minha casa por uns dias, esperando avidamente por notícias suas, evitando a companhia das pessoas, não querendo sair de casa, estava me sentido uma zumbi. Foi preciso bastante força de vontade para reverter essa situação que pouco a pouco estava me consumindo, tomei a iniciativa de proibir todos as minhas amigas de tocar ou mencionar qualquer palavra que possa te relembrar e assim reacender dentro de mim qualquer sentimento por você. Quando estou próxima delas ou em um ambiente que não seja a minha casa, consigo parar de pensar e lembrar de tudo que vivemos.

Estar sendo difícil, você estar dentro de mim, tatuando em minha pele, você invadiu o meu paladar, os meus poros ficaram sensíveis ao seu toque rejeitando qualquer outro. Ainda consigo ouvir o batido do seu coração, sinto a respiração ofegante, os abraços que te dei e não foram retribuídos, o cheiro do teu sexo, o gosto amargo e quente do teu corpo invadindo o meu. Só me restaram às sensações. Infelizmente não posso dizer o mesmo quanto a você, pois, ficou com objetos pessoais que me pertenceram, vai ser a sua tortura, toda vez que você tocar ou usar estará se lembrando de mim. Não adianta lavar, pôr no sol, na água sanitária, não são as minhas digitais que estão impressas ali e sim a lembrança do que me pertenceu e hoje fazem parte da sua vida.

Você vai contra a tudo que aprendi durante a minha vida, sempre me ensinaram que quando uma pessoa é generosa conosco, devemos retribuir do mesmo modo, tratando a bem e dividindo o pouco que temos. Fiz isso com você em troca só recebi patadas, desprezo, toda vez que te tratei bem ou te dei algo você se afastou. Dei-te um CD com músicas românticas, as quais lembravam algum momento que vivemos, na esperança de isso nos aproximar mais, chega a ser irônico, pois você se afastou de mim.

Todo criminoso tem direito de saber por que de sua punição, tal direito você me negou! Talvez seja esse o preço que tenho que pagar por ser tão tola e ter me deixado levar pelo meu ego. Quem não queria ao menos desfrutar de teu corpo: braços grossos, ombros largos, abdome definido, coxas grossas, bunda redonda e carnuda. Besteira! Um dia isso vai ser só um monte de rugas e você vai então lembrar amargamente o sofrimento que causou a alguém, a beleza é muito mais que isso, ela tem que vir de dentro para que as pessoas possam apreciar a embalagem. O que você tanto faz é se

exibir, acho que se sente em um concurso de beleza, andando por todos os lugares sem camisa. Você é muito mais que isso.

Não é mais menino já passou da idade, nem tão pouco é um homem! Faltam-lhe ainda vários detalhes para formar o seu caráter, ou seja, você não passa de um moleque, deslumbrado com a vaidade e a agilidade para usar o membro que carrega entre as pernas. Um jeito sutil e dissimulado de sempre conseguir o que quer não importando os mecanismos a serem utilizados, os fins não justificam os meios, chegou várias vezes a se fazer de vítima, incompreendido, fazendo-se de ingênuo. Essas suas ações provocaram em mim um arrependimento e o medo de tentar novamente, vai levar um bom tempo para que eu volte a acreditar nas pessoas.

Estou pouco a pouco te eliminando dentro da minha vida, te matei dentro do meu coração. Os olhos que te viam como uma pessoa especial, você conseguiu ofuscá-los com lágrimas e tristezas, hoje já consigo esboçar um sorriso para alguém e me sinto uma vitoriosa.

(Para lembrar é preciso esquecer)

Não sei se ainda quero lembrar-se de te!”

Uma nova crise de choro toma conta da Loba. Ela se entrega, deixa o choro lavar sua alma. Depois dessa carta Hermes sumiu, Volúpia amargou um bom período na ausência dele. Com muita força de vontade e apoio das amigas ela reuniu forças e mudou de cidade, resolveu fazer seu mestrado em Marketing. Deixou muita coisa para trás, inclusive seu coração.  A ingenuidade cedeu espaço para o medo de se apaixonar novamente, ela não conseguia mais confiar nos homens, por isso preferia usá-los e descartá-los, para ela era menos doloroso.

De volta ao presente, recomposta da crise de choro, com o coração mais aliviado ela olha para o grande relógio na parede e toma conhecimento que a hora já está bem adiantada, recorda que não tomara banho. Guarda o diário de volta na caixa, com cuidado coloca a caixa em cima da mesa de centro e vai para sua suíte.

Pelo adiantar da hora o banho não vai ser demorado. Com o corpo úmido borrifa as duas gotinhas de Chanel Nº 05 no colo, vai até ao closet abre a gaveta das lingeries, pega uma camisola de seda na cor vermelha, veste e vai para sua cama. Ao deitar-se o celular toca, como prometido Superboy está ligando para ela. Toca uma vez, duas, três vezes e ela não atende. O rapaz é insistente, retorna à ligação, o medo de sofrer a impede de atender, mas a ousadia e a vontade de tentar fala mais alto, ela atende a chamada.

“Oi, boa noite. Desculpa por ligar tão tarde, você já estava dormindo?” “Boa noite! Não tem problema, não dormi ainda, mas já estou deitada. Como está sua mãe?” “Hoje ela está tranquila, ainda sob os efeitos do sossega-leão que os médicos aplicaram na veia. Como foi seu fim de semana.”

“Normal, sem nada demais. No sábado à noite sai com as amigas, domingo nos reunimos para almoçar fora e foi isso.”

“Legal, melhor que ficar internado e ainda ter que comer comida de hospital. Desculpe, se estou sendo invasivo. Nessa semana podemos repetir a sessão de homecine?”

“Ainda não tinha pensado nisso, vou falar com Aninha e pedir uma sugestão de filme, depois lhe dou um retorno. E agora o que você estar fazendo?”

“Nada demais, já fui ao quarto ver se minha mãe já dormiu e agora estou aqui conversando com você?”

“Que menino dedicado. Cuida da mãe, toca, canta. O que mais você faz de bom?”

“KKKKK, obrigado. Mas, não sou mais menino. Minha mãe também me ensinou a cozinhar. De bom eu não sei, mas a gente pode descobrir. O que você acha?”

“Isso foi uma cantada?” …

“Se quiser que eu ensine, minhas aulas são caras. KKKKK” A conversa começou a mudar o rumo. Após essa breve cortada de Volúpia, Desejo calou-se e ela ficou esperando que falasse. Sem jeito ele falou depois de um breve silêncio, desejou-lhe boa noite e mandou um beijo. Ela entendeu que a culpa foi dela, poderia ter baixado a guarda um pouco. Respondeu a despedida dele, programou o despertador, vendou os olhos e adormeceu.

Tatá Arrasa

Nota do Autor: (Se você estiver gostando dessa história, por favor comente, compartilhe e marque os amigos. Use a hashtag: #leianocafofodaloba )

Obrigado

 

Deixe um Comentário

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *